"Soft Power" e Pandemia: Um vírus e seus reflexos na mudança cultural


Por Adriana Bitencourt Bertollo em 06/09/2020 | Direito Internacional | Comentários: 0

alt-text


O direito internacional e as relações internacionais estudam as trocas e conexões entre as nações e os diversos atores internacionais. Essas relações se moldam pelo que se denomina hard power, que é justamente o poder formal, o poder duro. Mas também é objeto de estudo o que se convencionou chamar de soft power, que é o poder de influência e convencimento.

A pandemia está se caracterizando por ser um fenômeno global, com diversos reflexos, tanto por exigir medidas governamentais atinentes ao poder duro, além de estar provocando profundas influências culturais. Desde o início da quarentena, comentamos aqui no blog algumas dessas modificações, a exemplo das medidas provisórias trabalhistas, os planos emergenciais do governo, novas medidas provisórias, mais alguns planos. Essas mudanças interferiram em nossa vida cotidiana, nas relações familiares e de trabalho.

Algumas dessas medidas trabalhistas já caducaram, como a MP 927, que trouxe algumas regras novas sobre o teletrabalho. Entretanto, apesar de ela ter caducado, o teletrabalho está cada vez mais vivo e coerente com os novos tempos (de redução de custos e diminuição da circulação).

As relações familiares estão no topo da lista dos “itens” que mais sofreram turbulências com a quarentena, porque o ambiente de trabalho veio para dentro de casa, além da escola, da academia e tudo o que mais couber nesse “liquidificador existencial”.

Esperávamos, sim, uma mudança aqui, outra acolá, mas não aguardávamos um novo marco na história, algo do porte da “Queda da Bastilha” ou da “Revolução Industrial”.

Pasmem, mas a pandemia veio para ditar novos comportamentos, queiramos ou não. A sociedade passa por um turbilhão de modificações: protocolos sanitários, mudança no mundo da moda (agora é a vez do “comfy”, do rímel colorido para os olhos, de combinar a máscara...), adaptaram-se as metodologias do ensino para um ensino mais “híbrido” (presencial e virtual) e as relações internacionais pendem para uma “desglobalização”, que traz reflexos políticos para todos os lados.

Já estamos em setembro, faltando poucos dias para a primavera. Porém, não sabemos quanto falta para o fim da pandemia, ou se ela veio para ficar conosco por algum tempo, como se fosse um hóspede chato e indesejado.

Enfim, a sociedade e seus fenômenos culturais mudaram com a pandemia, nossa forma de cumprimentar agora é mais polida e não cabem abraços, o que fere a nossa latinidade. Filósofos estão comentando que é um tempo de reflexão, de mudança interior, de resgates, do qual certamente haveremos de sair diferentes. Melhores ou piores, não se sabe, mas com certeza, adaptados.


*imagem: Pinterest

Seguir este artigo

Sobre o autor

Adriana Bitencourt Bertollo

Mestranda em Direito das Relações Internacionais, no Uruguai, UDE. Especialista em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho. Especialista em Direito Processual Civil. Especialista em Gestão Pública. Autora de artigos jurídicos. Advogada Pública Municipal com 15 anos de experiência, especialmente em licitações públicas, contratos administrativos, advocacia trabalhista empresarial, execuções fiscais. Exerce advocacia privada na área de direito dos servidores públicos estaduais.


Cursos relacionados

LGPD do Zero

Método prático para conquistar clientes advogando com proteção de dados

Investimento:

R$ 1.997,00

Turma: Setembro/2020

Código: 591

Mais detalhes

NEGOCIAÇÃO TRABALHISTA - O legado da pandemia

A negociação como ferramenta para solucionar os conflitos trabalhistas que surgiram com a pandemia

Inscrições gratuitas

Ao vivo: 18/09/2020 10:00

Turma: Setembro/2020

Código: 593

Mais detalhes

GTT PRO

Método prático para construção de carteira de ações tributárias

Investimento:

R$ 2.497,00

Turma: Outubro/2020

Código: 594

Mais detalhes

Mais artigos de Adriana Bitencourt Bertollo

Comentários 0

Você precisa estar logado para comentar neste artigo.

Fazer login ou Cadastre-se