A nova teoria das (in)capacidades e a importância da informação


Por Beatriz Martins de Oliveira em 20/08/2020 | Direito Civil | Comentários: 0

Tags: estatuto da pessoa com deficiência, informação.

alt-text

Há duas capacidades estabelecidas à pessoa pela Lei. A capacidade de ser titular de determinado direito e a de exercê-lo, encontradas, respectivamente, nos artigos 1º e 3º e 4º do Código Civil.

O art. 1º do CC trata da primeira capacidade, a titularidade de direitos e deveres, inerente a todo ser humano. Os artigos 3º e 4º referem-se à segunda, de exercer tais direitos e deveres de forma pessoal e autônoma. Àqueles que não a possuem em totalidade, na redação original do código, foi despendida (o que até então era entendido como) uma proteção pela Lei, condicionando-se seus atos civis à assistência ou representação por terceiro.

Esses artigos tiveram sua redação alterada recentemente pela Lei 13.146/2015, nomeada como Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Em seu art. 114, a Lei retirou do rol dos artigos 3º e 4º do CC (rol dos incapazes) a pessoa com deficiência. A capacidade reconhecida às pessoas com deficiência foi alocada em igualdade de condições com as demais pessoas (art. 84, L. 13.146/2015).

Essa alteração legislativa, singela em palavras, mas significativa em efeitos, modificou diversas outras previsões legais. Por força dela, alguns benefícios não são mais aplicáveis à pessoa com deficiência, como a imunidade à prescrição e decadência, por exemplo. Alguns autores questionam, diante disto, se não há um retrocesso na proteção dessas pessoas.

Ocorre que o que antes era enxergado como proteção da Lei passou a ser visto como clausura. O tratamento diferenciado concedido às pessoas com deficiência decorria do entendimento de sua falta. Falta de capacidade civil para exercer seus direitos e deveres pessoalmente, decorrente da falta do discernimento necessário a tanto — entendimento que logo se mostrou ultrapassado, inadequado, insustentável.

Dentre outras motivações, é possível apontar o maior acesso à informação, possibilitado atualmente pelas novas tecnologias de comunicação e pela Sociedade da Informação, como encorajador para o novo entendimento adotado. A Sociedade da Informação é o momento socioeconômico em que se reconhece o valor não apenas axiológico, mas econômico inerente à informação. Da informação tudo depende e decorre.

Assim, se por um lado a pessoa com deficiência (ainda que haja muitos problemas de acessibilidade a serem resolvidos) a partir deste novo nível de acesso à informação pôde conhecer inúmeras questões da vida, apresentando-se em total igualdade às demais pessoas, por outro, através dele também as demais pessoas puderam compreender sua igualdade com aquela.

A lei foi uma resposta para o avanço social. A informação foi e é imprescindível para alcançá-lo.



Fonte:

OLIVEIRA, Beatriz Martins; NEVES, Marcelo Nogueira; COLTRO, Rafael Khalil. A incapacidade civil à luz da LBI: inclusão na sociedade da informação. In VIGLIAR, José Marcelo Menezes (Coord.). Pessoa com deficiência: inclusão e acessibilidade. São Paulo: Almedina, 2020, p. 71-88.

Seguir este artigo

Sobre o autor

Beatriz Martins de Oliveira

Mestranda em Direito da Sociedade da Informação pelo Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas, Especialista em Direito Processual Civil e Bacharel em Direito pela mesma instituição. Advogada.


Cursos relacionados

Ateliê da petição inicial: como ter todos os pedidos lidos (e atendidos) pelo juiz

Um pontapé certeiro garante a análise integral pelo julgador

Inscrições gratuitas

Turma: Outubro/2020

Código: 609

Mais detalhes

ADVOGANDO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Método prático para advogar no nicho da CONSTRUÇÃO CIVIL e formar uma carteira de clientes rentáveis

Investimento:

R$ 1.997,00

Turma: Outubro/2020

Código: 610

Mais detalhes

Jornada LGPD - O passo a passo da implementação

Conquiste empresas na sua região advogando com a proteção de dados

Inscrições gratuitas

Turma: Novembro/2020

Código: 612

Mais detalhes

Mais artigos de Beatriz Martins de Oliveira

Comentários 0

Você precisa estar logado para comentar neste artigo.

Fazer login ou Cadastre-se