Como surgiu o termo Desenvolvimento Sustentável?

Cronologia da evolução da consciência ambiental no mundo


Por Inara de Pinho em 14/02/2019 | Comentários: 0

 

O termo sustentabilidade surgiu, pela primeira vez, na Alemanha, em 1560, na Província da Saxônia, a partir da preocupação em relação ao uso racional das florestas, de forma que elas pudessem se regenerar e se manter permanentemente. Neste contexto, surgiu a palavra alemã Nachaltingkeit que traduzida significa “sustentabilidade”. (BOFF, 2012, p.32)

Mas, somente em 1713, na Saxônia, que a palavra “sustentabilidade” se transformou em conceito estratégico, com o Capitão Hans Carl Von Carlowitz. Conforme leciona, Boff (2012), os fornos destinados à mineração, naquela época, demandavam muito carvão vegetal. Florestas eram abatidas para atender esta nova frente do progresso. Foi então que Carlowitz escreveu um verdadeiro tratado na língua científica da época, o latim, sobre a sustentabilidade (nachaltigwirtsghaften: organizar de forma sustentável) das florestas com o título Silvicultura econômica, o qual propunha o uso sustentável da madeira. A partir dessa consciência os poderes locais começaram a incentivar o replantio das árvores nas regiões desflorestadas.

A preocupação com a sustentabilidade (Nachaltigkeit) das florestas foi tão forte que uma ciência nova foi criada: a silvicultura (Forstwissenschaft). Na Saxônia e na Prússia fundaram-se academias de silvicultura, para onde acorriam estudantes de toda a Europa, da Escandinávia, dos Estados Unidos e até da Índia, segundo Boff (2012). Esse conceito se manteve vivo nos círculos ligados à silvicultura e fez-se ouvir em 1970, quando foi criado o Clube de Roma, cujo primeiro relatório foi sobre “Os limites do crescimento” que originou muitas discussões nos meios científicos, nas empresas e na sociedade.

Com efeito, nesse final do Estado Social (pós II Guerra) a noção de sustentabilidade deslocou-se da premissa de “um bem para si” (sustentabilidade para a agricultura) para um “bem em si” (antropocentrismo mitigado).

Apresenta-se uma breve cronologia de importantes conferências, encontros e acordos internacionais que contribuíram para consolidar o termo desenvolvimento sustentável, conforme descrito por Vidigal (2016), a saber:

A ONU passou a ocupar-se do tema e realizou, em julho de 1972, a “Primeira Conferência Mundial sobre o Homem e o Meio Ambiente”, em Estocolmo. Os resultados não foram significativos, mas seu melhor fruto foi a decisão de criar o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

A outra importante conferência realizou-se em 1984 dando origem à Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, cujo lema era “Uma agenda global para a mudança”. Os trabalhos dessa comissão, composta por dezenas de especialistas, encerraram-se em 1987 com o relatório da Primeira-ministra norueguesa Gro Harlem Brundtland com o título “Nosso futuro comum” (chamado também simplesmente de Relatório Brundtland).

Aí aparece a expressão “desenvolvimento sustentável” definido como “aquele que atende às necessidades das gerações atuais sem comprometer a capacidade das gerações futuras de atenderem às suas necessidades e aspirações”. Esta definição se tornou clássica e se impôs em quase toda a literatura a respeito do tema.

Em 1992 foi realizada a Cúpula da Terra no Rio de Janeiro, visando dar continuidade às discussões. Produziram-se vários documentos, dentre eles a Agenda 21, a Carta do Rio de Janeiro e a Convenção Quadro sobre Mudanças Climáticas, na qual estabeleceram um critério ético-político no sentido de que os “Estados devem cooperar, em um espírito de parceria global, para a conservação, proteção e restauração da saúde e da integridade dos ecossistemas terrestres; face às distintas contribuições para a degradação ambiental global, os Estados têm responsabilidades comuns, porém diferenciadas”.

Em 1997, a Cúpula da Terra sobre a sustentabilidade e o desenvolvimento se reuniu novamente no Rio de Janeiro (Rio + 5) e em 2002 (Rio + 10) em Joanesburgo.

Em junho de 2012, foi realizada a mais recente Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente, denominada Rio+20, cujos temas-chave foram sustentabilidade, economia verde e governança global do ambiente. A meta primordial da Rio+20 era estimular a ação sobre desenvolvimento sustentável.

Como resultados, destaca-se a elaboração de um documento final com 53 páginas, no qual 188 países traçaram o caminho para a cooperação internacional sobre desenvolvimento sustentável, reafirmando compromissos já assumidos anteriormente. Além disso, governos, empreendedores e outros parceiros da sociedade civil registraram mais de 700 compromissos com ações concretas para responder a necessidades específicas, como energia sustentável e transporte. Dentre esses compromissos está a destinação de50 bilhões de dólares para ajudar um bilhão de pessoas a ter acesso a energia sustentável. 

Importante ressaltar, ainda, que inspirados nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) para promover ações de desenvolvimento humano e combate à pobreza, os países, na Rio+20, concordaram com a necessidade de estabelecer alguns objetivos de desenvolvimento sustentável, definidos como ações orientadas, concisas e de fácil compreensão, de natureza global e universalmente aplicáveis a todos os países, dentre os quais se insere a economia verde. Os ODS, como ficaram conhecidos, foram estabelecidos ao longo de dois anos (2013-2014) com empenho nas áreas prioritárias do desenvolvimento sustentável, ajudando a medir o progresso. O processo para estabelecer esses objetivos foi integrado com esforços para repetir o sucesso alcançado pelos ODM e criar estratégias para o caminho a seguir. Um painel foi nomeado pelo Secretário-Geral da ONU para considerar opções para depois de 2015, ano término dos ODM, assim como a Assembleia Geral da ONU estabeleceu um painel intergovernamental de 30 membros para desenvolver os ODS.

 Em que pese a frustração sobre os resultados concretos das últimas conferências da ONU, pode-se afirmar que o saldo foi positivo no sentido de que proporcionou uma maior consciência da população mundial sobre a necessidade persistir na busca pelo equilíbrio ambiental para assegurar a existência humana.

Posteriormente, em 2015, foi realizada a Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável e aprovada, por unanimidade pelos países-membro da organização, a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável [1] (ODS).

No mesmo ano, duas conferências internacionais também marcaram o processo de discussão para a implementação dos ODS: Conferência das Partes (COP21), com a aprovação do Acordo de Paris para reduzir o aumento da temperatura global do planeta, e a III Conferência Internacional para o Desenvolvimento, em Adis Abeba, Etiópia, que estabeleceu fluxos de financiamento para políticas com prioridades econômicas, sociais e ambientais.

Os ODS substituem os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e são um compromisso para finalizar o trabalho iniciado pelos ODM e abordar os problemas globais mais urgentes. Os 17 Objetivos são interligados, o que significa que o êxito de um Objetivo de Desenvolvimento Sustentável afeta diretamente outro Objetivo. Combater os efeitos adversos da mudança do clima influencia diretamente na forma que gerenciamos nossos recursos naturais. Fomentar a paz e sociedades inclusivas reduzirá as desigualdades e contribuirá para que as economias prosperem. A Agenda 2030 e os ODS são um compromisso ousado, tendo em vista o desafio do seu cumprimento, mas também, correspondem à uma importante oportunidade de mudança em benefício de nós mesmos (atual e futuras gerações).


Referências

BOFF, Leonardo. Sustentabilidade: o que é – o que não é. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Objetivos de desenvolvimento sustentável. Disponível em < http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/sustainable-development-goals.html>

VIDIGAL, Inara de Pinho Nascimento. Certificação e governança ambiental corporativa: instrumentos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016. 

________________________________________

Notas:

[1] Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Disponível em< http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/sustainable-development-goals.html

 

Seguir este artigo

Sobre o autor

Inara de Pinho

Mestre em Direito e especialista em direito público, gestão florestal e de recursos hídricos. Mais de 20 anos de carreira construída a partir da advocacia empreendedora e na docência do ensino superior. No IbiJus atua com a gestão acadêmica, coordenando a equipe de profesores e a criação de cursos de extensão, primando pela oferta de conteúdos aplicados à prática da advocacia com foco na busca de resultados. Como advogada, auxilia empresas na gestão jurídica-ambiental. É consultora do Centro de Excelência em Gestão, atuando especialmente com a gestão empresarial sustentável, voltada para a obtenção e manutenção de certificações ambientais. Faz parte da equipe de auditores da área de meio ambiente da multinacional Bureau Veritas Certification.


Cursos relacionados

GTT PRO

Método prático para construção de carteira de ações tributárias

Marcos Relvas - Mestre em Direito do Estado no Estado Democrático de Direito

Investimento:

R$ 2.490,00

Turma: Agosto/2019

Código: 464

Mais detalhes

Ciclo de palestras: Gestão Digital na Advocacia

Acelere resultados com Gestão Digital na Advocacia

Inscrições gratuitas

Ao vivo: 23/07/2019 10:00

Turma: Julho/19

Código: 466

Mais detalhes

Jornada AdvExpert: Recuperação de PIS/COFINS

Advogados unidos contra o abuso do Fisco

Marcos Relvas - Mestre em Direito do Estado no Estado Democrático de Direito

Inscrições gratuitas

Ao vivo: 13/08/2019 10:00

Turma: Agosto/2019

Código: 467

Mais detalhes

Mais artigos de Inara de Pinho

Comentários 0

Você precisa estar logado para comentar neste artigo.

Fazer login ou Cadastre-se