Como reduzir os encargos com a folha de pagamento das empresas?


Por Inara de Pinho em 24/10/2016 | Comentários: 0

As empresas que mantém empregados registrados sob o regime da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) sofrem um grande ônus com tais pagamentos. Isso porque, além do salário há outros encargos incidentes que oneram a folha de pagamento. Dentre eles está o INSS, que corresponde a uma contribuição social previdenciária obrigatória.

O presente artigo discorre sucintamente sobre os fundamentos para a recuperação de tributos pagos indevidamente, a título de INSS.

Quais são esses encargos?

Atualmente, pela Lei de Custeio da Previdência Social, Lei n° 8.212/91, o contribuinte está sujeito à alíquota de 20%, mais o acréscimo de 8,5% (variável de acordo com a atividade econômica desenvolvida).

Dessa forma, a base de cálculo da referida contribuição é a folha de salários e demais rendimentos auferidos pelo trabalhador.

E as verbas de natureza indenizatória?

Entretanto, algumas das quantias pagas ao empregado, consideradas de natureza não salarial ou indenizatória, devem ser excluídas da base de cálculo da referida contribuição social, pois não se destinam a retribuir o trabalho, mas tão somente compensar algo relacionado à atividade desenvolvida pelo trabalhador e por isso é denominada de verba indenizatória.

Quais são essas verbas?

Atualmente, há mais de vinte verbas que, teoricamente, possuem a natureza não salarial, cujo ressarcimento pode ser discutido judicialmente, dentre elas, estão: 

  1. Abono-Assiduidade (para servidores públicos);
  2. Adicional de Periculosidade;
  3. Auxílio-Doença;
  4. Horas-Prêmio;
  5. Adicional de Transferência;
  6. Bonificação;
  7. Abono Compensatório;
  8. 1/3 de férias;
  9. Licença-prêmio, 
  10. Adicional Noturno;
  11. Reembolso de Combustível,
  12. Entre outras, conforme o caso.

Jurisprudência favorável

Contudo, algumas delas, já foram reconhecidas pelo Superior Tribunal de Justiça e possuem jurisprudência consolidada na linha dessa tese.

Vale ressaltar que em uma das decisões em que o Superior Tribunal de Justiça tem decidido a favor do contribuinte, foram reconhecidas cinco verbas trabalhistas (RECURSO ESPECIAL Nº 1.230.957 - RS (2011/0009683-6)).

A 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça, ao concluir o julgamento sobre a incidência de contribuição previdenciária patronal, reconheceu a não incidência da contribuição social sobre algumas verbas indenizatórias. Seguindo o voto do relator, ministro Mauro Campbell, o colegiado decidiu que não incide a contribuição sobre aviso prévio indenizado, terço constitucional de férias e absenteísmo — 15 primeiros dias de afastamento do trabalhador que antecedem o auxílio-acidente ou auxílio-doença. De acordo com o relator, estas verbas são de natureza indenizatória ou compensatória, por isso não é possível a incidência da contribuição.

Foi decidido que incide a contribuição sobre o salário-paternidade e salário-maternidade. Para Mauro Campell em ambos os casos, o pagamento recebido pelo trabalhador tem natureza salarial. "O fato de não haver prestação de trabalho durante o período de afastamento da segurada empregada, associado à circunstância de a maternidade ser amparada por um benefício previdenciário, não autoriza conclusão no sentido de que o valor recebido tenha natureza indenizatória ou compensatória, ou seja, em razão de uma contingência (maternidade), paga-se à segurada empregada benefício previdenciário correspondente ao seu salário, possuindo a verba evidente natureza salarial", explicou o ministro, sobre o salário-maternidade.

Como as decisões foram tomadas sob o rito de recurso repetitivo o caso servirá de orientação para os demais tribunais na avaliação de casos semelhantes. O julgamento teve início em fevereiro do ano passado e foi interrompido após diversos pedidos de vista, sendo encerrado em 26/02/2014, após voto do ministro Herman Benjamin. O ministro, que durante as sessões anteriores havia se mostrado favorável à tributação do terço de férias e do absenteísmo, retificou seu voto, acompanhando, no mérito, o voto do relator.

Durante o julgamento, após ver pelo resultado parcial desfavorável, a Fazenda Nacional interpôs questão de ordem pedindo a anulação do processo alegando que, por se tratar de recurso repetitivo, seria necessário que a maioria absoluta dos membros componentes da 1ª Seção — composta por dez ministros — votasse. Porém, o pedido foi rejeitado.

No debate, o ministro Mauro Campbell observou que o julgamento aconteceu dentro do devido processo legal e que não há nenhum amparo regimental para o pedido feito pela Fazenda Nacional. O ministro esclareceu que o caso foi levado a julgamento quando todos os ministros do colegiado estavam presentes, não sendo responsável por eventuais percalços que impediram os outros ministros de votar.

Clique aqui para ler a decisão na íntegra.

Se você se interessou pelo tema, participe dos Seminários sobre Recuperação de Tributos promovido pelo IbiJus!

Há 5 motivos para você participar:

Você conhecerá quais são os segmentos de empresa mais afetados por esses pagamentos indevidos;

  1. Você saberá outros tributos pagos indevidamente que podem ser recuperados;
  2. Você poderá definir a sua possível carteira de clientes para recuperação desses tributos;
  3. Os Seminários sobre Recuperação de Tributos são transmitidos online e ao vivo e você pode participar de onde estiver.
  4. Os Seminários são gratuitos, basta fazer sua inscrição aqui no link http://www.ibijus.com/curso/93-seminarios-sobre-recuperacao-de-tributos
Seguir este artigo

Sobre o autor

Inara de Pinho

Mestre em Direito (ESDHC), especialista em Direito Público (Unicentro Newton Paiva/ANAMAGES), em Gestão e Manejo Ambiental em Sistemas Florestais (UFLA) e em Gestão de Recursos Hídricos (UFMG). Advogada, professora universitária, consultora e auditora de empresas com foco na gestão jurídico-ambiental. Na área acadêmica leciona desde 2005 em cursos de extensão, graduação e pós-graduação, além de desenvolver pesquisas de iniciação científica, orientar trabalhos de conclusão de curso, escrever e publicar artigos. Como docente possui sólida experiência com as disciplinas de Direito Ambiental, Direito Administrativo, Direito Penal - Legislação Especial Extravagante-, Direito Constitucional e várias disciplinas ligadas à Gestão Ambiental. Possui um perfil de professora empreendedora, sendo idealizadora de diversos cursos de aperfeiçoamento jurídico e responsável pela divulgação e formação de turmas. Atualmente é coordenadora acadêmica do Instituto Brasileiro de Direito – IBIJUS. Como advogada atua especialmente com o Direito Direito Ambiental. É consultora do Centro de Excelência em Gestão, atuando especialmente com a gestão empresarial sustentável, voltada para a obtenção e manutenção de certificações ambientais. Faz parte da equipe de auditores da área de meio ambiente da multinacional Bureau Veritas Certification.


Cursos relacionados

II Simpósio Brasileiro de Direito Bancário

Encontro presencial reunindo advogados para debater estratégias de sucesso em ações de Direito Bancário

Márcio Vieira - Advogado, professor, mestre em direito. Mais de 20 anos de experiência com direito bancário.

Rafael Corte Mello - Advogado, professor, mestre em direito. Mais de 20 de experiência na advocacia de litígio.

Investimento:

R$ 900,00

Turma: TURMA PRESENCIAL

Código: 430

Mais detalhes

V Simpósio Brasileiro de Direito do Contribuinte

Encontro presencial visando o debate sobre abusos do Fisco, estratégias comerciais e de defesa do cliente

Marcos Relvas - Mestre em Direito do Estado no Estado Democrático de Direito

Investimento:

R$ 900,00

Turma: TURMA PRESENCIAL

Código: 434

Mais detalhes

ADB PRO

Método prático para alcançar honorários extraordinários e estabilidade financeira na advocacia

Márcio Vieira - Advogado, professor, mestre em direito. Mais de 20 anos de experiência com direito bancário.

Rafael Corte Mello - Advogado, professor, mestre em direito. Mais de 20 de experiência na advocacia de litígio.

Investimento:

R$ 1.997,00

Turma: ADBPRO - Junho/2019

Código: 449

Mais detalhes

Mais artigos de Inara de Pinho

Comentários 0

Você precisa estar logado para comentar neste artigo.

Fazer login ou Cadastre-se