Como fazer uma consulta fiscal?


Por Inara de Pinho em 01/04/2016 | Direito Tributário | Comentários: 0

alt-text

Da série: Quero iniciar na prática tributária
O presente artigo visa esclarecer aos profissionais iniciantes no Direito Tributário como fazer uma consulta fiscal.

O que é a consulta fiscal?
Trata-se de uma modalidade de processo administrativo que permite o esclarecimento de dúvida sobre o enquadramento jurídico-tributário em relação a determinado fato. Possui como fundamento o direito de petição (CF/88, ar.5° XXXIV).

A quem deve ser dirigida
A consulta deve ser dirigida ao órgão responsável por administrar o tributo sobre o qual paira a dúvida (Receita Municipal, Estadual ou Federal).

Como fazer?
Deve ser formulada uma petição no qual deverá ser descrito o fato pertinente à consulta, a dúvida que entende estar presente e indicar a solução que considera adequada, pedindo, ao final, o pronunciamento da Administração Tributária a respeito do problema.

Pode ser realizada pelo próprio cidadão ou por um advogado. Embora não seja obrigatória a subscrição do advogado, por se tratar de via administrativa, é importante que a formulação da consulta seja bem elaborada, pois a resposta vincula a Administração.  

A resposta vincula a Administração mas não vincula o administrado
Por exemplo, se a consulta é feita acerca da incidência ou não do ICMS sobre a venda de livros eletrônicos vendidos por meio de download e o Fisco responde afirmando a não incidência do ICMS em face da imunidade tributária, os agentes fiscais não poderão exigir o referido tributo sobre as respectivas operações.

Nas palavras de ROCHA (1996) a administração fica vinculada a observar a decisão dada à consulta formulada pelo administrado. Mas o administrado não fica obrigado a observá-la, porque, se entender que a resposta dada obsta ou ameaça direito seu, sempre poderá ver sua posição apreciada pelo Poder Judiciário 

Portanto, a consulta serve como proteção do consulente (aquele que faz a consulta), mas somente em relação aos fatos constantes ali.

Efeitos da consulta
A consulta, uma vez formulada, impede a instauração de procedimentos fiscais contra o consulente, relativamente ao objeto da consulta. Esse efeito perdura até 30 dias depois de cientificado da resposta proferida pela autoridade competente. Portanto, é nulo um auto de infração lavrado antes de solucionada uma consulta apresentada pelo contribuinte a respeito do mesmo fato.

E ainda, a consulta, desde que formulada dentro do prazo para o pagamento do crédito tributário sobre o qual versar, enseja a não incidência de juros, a resposta da Administração indicar que o citado crédito tributário realmente é devido.

Exemplo de consulta fiscal
Para ilustrar, apresenta-se um exemplo de consulta fiscal dirigida à Receita Federal, cuja resposta foi dada em março de 2016.

Trata-se de consulta formulada por uma cooperativa que tem como atividade principal o transporte escolar exercido, única e exclusivamente, por seus cooperados, todos regularmente inscritos no livro de matrícula dos associados.

A dúvida busca esclarecer se “o fato de prestar os serviços a não associados, pessoas físicas e pessoas jurídicas, bem como ao cumprir a legislação específica (Lei 5764/71) quanto aos atos cooperativos, pode se beneficiar com a isenção expressa no art. 39 da Lei 10865/04”.

Em síntese, a resposta da Receita Federal declarou que;

ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO – CSLL

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS POR COOPERATIVA A NÃO ASSOCIADOS. TRIBUTAÇÃO PELA CSLL.

ATO COOPERATIVO. DEFINIÇÃO. Conforme definição do art. 79 da Lei n° 5.764, de 1971, atos cooperativos são apenas aqueles realizados entre a cooperativa e seus associados, e vice-versa (e pelas cooperativas entre si quando associados, para a consecução dos objetivos sociais), sendo todos os outros atos sujeitos à tributação. Dispositivos Legais: Lei n° 5.764, de 16 de setembro de 1971, art. 79, 85 a 87, e 111.

As receitas decorrentes da prestação de serviços por cooperativa a não associados, pessoas físicas ou jurídicas, não gozam da isenção relativa à CSLL prevista no art. 39 da Lei n° 10.865, de 2004, por não se configurarem provenientes de ato cooperativo, conforme determinação da legislação específica. Dispositivos Legais: Lei n° 10.865, de 30 de abril de 2004, art. 39; Lei n° 5.764, de 16 de setembro de 1971, art. 79, 85 a 87, e 111.

Conclusão

A consulta é uma espécie de processo administrativo pelo qual é possível elucidar dúvidas acerca de questões fiscais. 

A resposta vincula a Administração e pode também servir de subsídio para um posterior questionamento judicial.

Quanto aos efeitos de impedir a instauração de procedimento de fiscalização, a fluência de juros e a lavratura do auto de infração vale lembrar que só ocorrerão se a consulta for instaurada antes do início de qualquer ato nesse sentido e se cumpridos os requisitos de ser formulada por escrito e ao órgão competente.

Apresenta-se abaixo um modelo de inicial de consulta fiscal no âmbito federal.

Acesse o Modelo da inicial de Consulta Fiscal no âmbito federal clicando aqui

Referências

BRASIL. Decreto n° 70.235 de 06 de março de 1972. Dispõe sobre o processo administrativo fiscal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d70235cons.htm

MACHADO SEGUNDO, Hugo de Brito. Processo Tributário. São Paulo: Atlas, 2015.

ROCHA, Valdir de Oliveira. A Consulta Fiscal. São Paulo: Dialética, 1996.

Receita Federal. Solução de consulta n°18 - Cosit. Disponível em: https://tributario.com.br/wp-content/uploads/sites/2/2016/03/SC_Cosit_nA_18-2016.pdf.

Seguir este artigo

Sobre o autor

Inara de Pinho

Mestre em Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável. Especialista em direito público, gestão florestal e de recursos hídricos. Mais de 20 anos de carreira construída a partir da advocacia empreendedora e na docência do ensino superior. No Ibi Jus atua com a gestão acadêmica, coordenando a equipe de professores e a criação de cursos/eventos de extensão, primando pela oferta de conteúdos aplicados à prática da advocacia com foco na busca de resultados. Como advogada, auxilia empresas na gestão jurídica-ambiental. É consultora do Centro de Excelência em Gestão, atuando especialmente com a gestão empresarial sustentável, voltada para a obtenção e manutenção de certificações ambientais. Faz parte da equipe de auditores da área de meio ambiente da multinacional Bureau Veritas Certification.


Cursos relacionados

ADB PRO 2.0

Método prático para alcançar honorários extraordinários e estabilidade financeira na advocacia

Márcio Vieira - Advogado, professor, mestre em direito. Mais de 20 anos de experiência com direito bancário.

Rafael Corte Mello - Advogado, professor, mestre em direito. Mais de 20 de experiência na advocacia de litígio.

Investimento:

R$ 1.997,00

Turma: ADBPRO 2.0 - Junho/2020

Código: 558

Mais detalhes

A petição inicial perfeita

Como escrever uma petição que todo juiz gosta de ler e com isso aumentar as chances de ter seus pedidos acolhidos

José de Andrade Neto - Juiz de Direito desde 2002. Diretor de Ensino e Coordenador do projeto Audiências Online

Inscrições gratuitas

Ao vivo: 10/06/2020 10:00

Turma: Junho/2020

Código: 565

Mais detalhes

Mais artigos de Inara de Pinho

Comentários 0

Você precisa estar logado para comentar neste artigo.

Fazer login ou Cadastre-se