A vocação do direito tributário para a multiplicação de demandas judiciais


Por Inara de Pinho em 19/10/2015 | Direito Tributário | Comentários: 0

alt-text

Você sabia que:

Do total de súmulas vinculantes editadas pelo Supremo Tribunal Federal, 25% versam sobre Direito Tributário? 

Que 30% dos recursos extraordinários com repercussão geral reconhecida e julgados no mérito pelo STF também são de Direito Tributário? 

E, ainda, que o Direito Tributário está presente em pelo menos 40% de todos os recursos especiais julgados pelo Superior Tribunal de Justiça, sob o rito de recursos repetitivos?

Esse foi o resultado do estudo realizado pelo Desembargador Marcus Abraham, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (RJ e ES). A resolução de conflitos em matéria tributária por meio de repercussão geral e recursos repetitivos, na visão do Magistrado, é exitosa em razão da natural vocação desse ramo do Direito para o contencioso de massa e com base em técnicas que tendem a valorizar a jurisprudência. 

Outra possível razão para isso, na análise de Abraham, está na própria natureza do poder estatal de tributar, a partir do qual consagram-se as relações tributárias, compulsórias, fundadas no Direito Público, às quais todas as pessoas físicas e jurídicas estão submetidas. Daí resulta o grande número de relações jurídicas de natureza tributária, cabendo ao sujeito passivo do fato gerador buscar a solução judicial do conflito.

Abraham destacou também como outra causa “da multiplicação de demandas judiciais” o “sistema tributário complexo, cuja interpretação adotada pela administração tributária possui um viés arrecadatório” e no qual “as questões de natureza tributária acabam muitas vezes versando sobre matéria de direito e não tanto sobre matérias de fato”.

“Por essas razões, a seara tributária acaba se tornando um campo fértil para a aplicação dos mecanismos de julgamento insertos na teoria dos precedentes, como forma de agilizar a prestação jurisdicional, sendo o ramo do Direito que mais se aproximou rapidamente do modo angloamericano de resolução de controvérsia com base na análise de precedentes”, destacou.

Finalmente, vale ressaltar que o novo Código de Processo Civil consagrou esse modelo de precedentes, legitimando o incidente de demandas repetitivas no nosso sistema processual civil que entrará em vigor no mês de março de 2016.

Fonte: IDTL

Seguir este artigo

Sobre o autor

Inara de Pinho

Mestre em Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável. Especialista em direito público, gestão florestal e de recursos hídricos. Mais de 20 anos de carreira construída a partir da advocacia empreendedora e na docência do ensino superior. No Ibi Jus atua com a gestão acadêmica, coordenando a equipe de professores e a criação de cursos/eventos de extensão, primando pela oferta de conteúdos aplicados à prática da advocacia com foco na busca de resultados. Como advogada, auxilia empresas na gestão jurídica-ambiental. É consultora do Centro de Excelência em Gestão, atuando especialmente com a gestão empresarial sustentável, voltada para a obtenção e manutenção de certificações ambientais. Faz parte da equipe de auditores da área de meio ambiente da multinacional Bureau Veritas Certification.


Cursos relacionados

ADB PRO 2.0

Método prático para alcançar honorários extraordinários e estabilidade financeira na advocacia

Márcio Vieira - Advogado, professor, mestre em direito. Mais de 20 anos de experiência com direito bancário.

Rafael Corte Mello - Advogado, professor, mestre em direito. Mais de 20 de experiência na advocacia de litígio.

Investimento:

R$ 1.997,00

Turma: ADBPRO 2.0 - Junho/2020

Código: 558

Mais detalhes

A petição inicial perfeita

Como escrever uma petição que todo juiz gosta de ler e com isso aumentar as chances de ter seus pedidos acolhidos

José de Andrade Neto - Juiz de Direito desde 2002. Diretor de Ensino e Coordenador do projeto Audiências Online

Inscrições gratuitas

Ao vivo: 10/06/2020 10:00

Turma: Junho/2020

Código: 565

Mais detalhes

Mais artigos de Inara de Pinho

Comentários 0

Você precisa estar logado para comentar neste artigo.

Fazer login ou Cadastre-se