Retenção de 11% INSS - Construção Civil - Cessão de mão de obra - Subordinação


Por Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas em 25/10/2019 | Direito Tributário | Comentários: 0

alt-text

 

A recente Solução de Consulta nº 5013 de 06/08/2019, da 5ª Região Fiscal da Receita Federal entende que não se sujeita à retenção de que trata o caput do art. 31 da Lei nº 8.212, de 1991, o serviço prestado sem a colocação de funcionários à disposição do tomador de serviços, no sentido de determinar as diretrizes de trabalho e comandar a realização do serviço. Nesse caso, a empresa contratada não realiza cessão de mão de obra, o que afasta a hipótese de retenção.

Essa Solução de Consulta está vinculada à Solução de Consulta COSIT nº 28, de 16 de janeiro de 2017 e tem como fundamento os seguintes dispositivos legais: Lei nº 8.212, de 1991, art. 31; Decreto nº 3.048, de 1999, art. 219, § 2º; Instrução Normativa RFB nº 971, de 2009, arts. 115, 117, 118 e 119.

Estamos diante do conceito de cessão de mão de obra previsto na legislação vigente.

Entende-se por cessão de mão de obra a colocação a disposição da contratante, em suas dependências ou nas de terceiros, de segurados que realizem serviços contínuos, relacionados ou não com a atividade-fim da empresa, quaisquer que sejam a natureza ou a forma de contratação (Lei 8.212, art. 31, §3º).

A colocação à disposição significa que o contratante dirigirá a prestação de serviço, posto que, se o trabalhador estivesse à disposição do prestador de serviço este é que comandaria o desenvolvimento do trabalho.

Para o Desembargador do TRF da 4ª Região, Dr. João Surreax Chagas, no AI 2003.04.02.056247-4 RS:

”… a mera prestação de serviços não caracteriza, por si só, cessão de mão de obra; a cessão de mão de obra envolve uma transferência de subordinação do cedente para o cessionário, conclusão essa que se pode extrair da expressão colocar “à disposição do contratante”.

As relações envolvidas no contrato de cessão de mão de obra envolvem três figuras: o cedente, que é a empresa (contratada), cuja finalidade é recrutar trabalhadores para colocar “à disposição do contratante”, a tomadora de serviços (contratante), que exerce o poder de subordinação sobre aqueles que vão executar a atividade objeto do contrato, e os trabalhadores, que vão prestar o serviço sob comando da contratante...” (grifamos).

Vê-se que a subordinação é um pressuposto que necessariamente deverá estar presente para a caracterização do conceito de cessão de mão de obra.

Colocação de empregados à disposição do contratante, expressão prevista no mencionado art. 31 da Lei 8.212/91, quer dizer “submetidos ao poder de comando desse”, para execução das atividades no estabelecimento do tomador de serviços ou de terceiros.

A retenção a título de contribuições sobre a folha de pagamento pressupõe a relação empregatícia da prestadora relativamente àqueles cuja mão de obra é cedida. Não ocorre, portanto, a cessão de mão de obra quando não há essa relação, sendo indevida a contribuição tributária.

Há precedentes no STJ, Resp. 488.027/SC, Rel. Min. Teori Albinozavascki, DJU 01.06.2004).

Inúmeros julgados esposam esse posicionamento, a saber:

(Tribunal Regional Federal – 4ª Região – APELREEX 2006.70.01.001961-7) (g.n.)

TRIBUTÁRIO. RETENÇÃO DE 11%. EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇO. LEI 9.711/98. LEGITIMIDADE ATIVA. INOCORRÊNCIA DE CESSÃO DE MÃO DE OBRA. RELAÇÃO DE EMPREGO. INEXISTÊNCIA. RESTITUIÇÃO DOS VALORES RETIDOS.

1. A nova redação do art. 31 da Lei 8.212/91, dada pela Lei 9.711/98, não alterou a fonte de custeio, nem elegeu novo contribuinte. A alteração foi apenas da sistemática de recolhimento, continuando a contribuição previdenciária a ser calculada pela folha de salário, tendo como contribuinte de direito a empresa prestadora do serviço de mão de obra.

2. A nova sistemática impôs ao contribuinte de fato a responsabilidade pela retenção de parte da contribuição, para futura compensação, quando do cálculo do devido. Portanto, detém legitimidade ativa ad causam a empresa prestadora de serviço sem cessão de mão de obra para postular a restituição dos valores retidos.

3. Não tendo ocorrido cessão de mão de obra na prestação de serviço, não incide a hipótese prevista no art. 31 da Lei 8.212/91, com a redação dada pela Lei 9.711/98, não se fazendo necessário que a tomadora retenha 11% sobre o valor da nota fiscal ou fatura.

4. A retenção a título de contribuições sobre a folha de pagamento pressupõe a relação empregatícia da prestadora relativamente àqueles cuja mão de obra é cedida.

(Tribunal Regional Federal – 4ª Região – APELREEX 2008.70.16.000187-1) (g.n.)

É imperiosa, para a caracterização de tal situação fático-jurídica, a submissão dos empregados cedidos ao comando do contratante, com a execução das atividades no estabelecimento deste ou de terceiro. Precedentes: STJ, 1ª T., REsp 488027/SC, rel. Min. Teori Albino Zavascki, DJU 01.06.2004, p. 163 e Quarta Turma, AGTR nº 62.073/PE, desta Relatoria, julg. 18.10.2005, DJU 08.11.2005.”

Na Solução de Consulta nº 28 Cosit, 16/01/2017 citada, encontramos a seguinte fundamentação:

Neste sentido, a doutrina de Andrei Pitten Velloso, Daniel Machado da Rocha e José Paulo Baltazar Júnior (Comentários à Lei do Custeio da Seguridade Social: Lei n.º 8.212, de 24 de julho de 1991, atualizada até a Lei Complementar nº 118, de 9 de fevereiro de 2005, Porto Alegre: Livraria do Advogado, Edição 2005, páginas 250/251) bem esclarece o conceito de cessão de mão de obra (sublinhou-se): Solução de Consulta n.º 28 Cosit Fls. 8 8 É essencial à configuração da cessão de mão de obra, pois, que haja subordinação dos segurados ao tomador dos serviços, e não ao cedente. Se os segurados forem subordinados a este, haverá prestação de serviços (gênero), mas não cessão de mão de obra (espécie). E, da mesma forma, se forem prestados serviços sem que seja colocada à disposição mão de obra, não restará caracterizada cessão de mão de obra.”

Em artigo sob o título: O CONCEITO DE CESSÃO DE MÃO DE OBRA E A NECESSIDADE DE RETENÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA, publicado no Jus Navigandi, assevera o seu autor, Marcelo Lavezo:

Consequentemente, é possível concluir-se com tranquilidade que a obrigação de retenção da contribuição previdenciária correspondente a 11% (onze por cento) do valor da nota fiscal, só é devida se o serviço for contratado mediante cessão de mão de obra, cumprindo-se para que se configure esta situação, todos os requisitos caracterizadores da subordinação do profissional às ordens do contratante.”

Contrariamente, caso os serviços contratados sejam realizados por conta e ordem do contratado, que será o responsável por gerir o funcionamento e a realização do objeto contratado, não se terá no caso cessão de mão de obra, e consequentemente não há que se falar em retenção da contribuição previdenciária.”

Fonte:https://jus.com.br/artigos/30522/o-conceito-de-cessao-de-mao-de-obra-e-a-necessidade-de-retencao-da-contribuicao-previdenciaria

Logo, não se configura a cessão de mão de obra se ausentes os requisitos de colocação de empregados à disposição do contratante, submetidos ao poder de comando deste.

 

Seguir este artigo

Sobre o autor

Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas

Advogado militante no Foro em Geral e nos Tribunais Superiores com mais de 40 anos de experiência. Assessor Jurídico na Associação Comercial e Empresarial de Minas - ACMinas desde 1980. Sócio Fundador do CUNHA PEREIRA & ABREU CHAGAS - Advogados Associados desde 1976. Consultor Home Office. Tributarista. Autor de vários livros na área. tributária. Conferencista. Professor.


Cursos relacionados

GTT PRO

Método prático para construção de carteira de ações tributárias

Marcos Relvas - Mestre em Direito do Estado no Estado Democrático de Direito

Investimento:

R$ 2.497,00

Turma: Agosto/2020

Código: 577

Mais detalhes

LGPD do Zero

Método prático para conquistar clientes advogando com proteção de dados

Investimento:

R$ 1.497,00

Turma: Julho/2020

Código: 578

Mais detalhes

Prática Tributária Real: um guia do processo judicial tributário

Aprenda a ter sucesso na prática da advocacia tributária

Investimento:

R$ 897,00

Turma: Julho/2020

Código: 579

Mais detalhes

Mais artigos de Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas

Comentários 0

Você precisa estar logado para comentar neste artigo.

Fazer login ou Cadastre-se