Condomínios e Acessibilidade

O Síndico e o dever de adequar o Condomínio às Regras de Acessibilidade


Por Simone Gonçalves em 04/07/2019 | Comentários: 0

 

Desde o ano de 2015, com a publicação do Estatuto da Pessoa com Deficiência, muitos Síndicos não medem esforços em adaptar seus condomínios para receber pessoas com necessidades especiais, sejam moradores ou visitantes.

 

No entanto, infelizmente, nem todos que exercem a função de Síndico pensam assim!

 

Ocorre que, quando falamos em acessibilidade nos condomínios não se trata apenas de cumprir a legislação, trata-se de inclusão social.

 

Atualmente, os novos empreendimentos já são projetados com arquitetura inclusiva para atender pessoas com necessidades especiais, porém anos atrás não havia essa consciência.

 

A maioria das habitações em nosso país é antiga logo devem ser adequadas para facilitar a vida daqueles que precisam de acessibilidade.

 

Cada vez mais as pessoas preferem morar em condomínios por questões de segurança e conforto que estes proporcionam.

 

E foi o Estatuto que trouxe orientação quanto à adequação dos condomínios e prédios mais antigos, uma vez que estes não possuem instalações de acessibilidade.

 

Seu condomínio já está adequado para atender pessoas com necessidades especiais? 

 

Quando trata-se de “ajustes” em construções antigas, é preciso ter atenção redobrada, em razão das vulnerabilidades que podem ocorrer na segurança estrutural do prédio.

 

Por isso é fundamental o Síndico contratar um especialista na área de acessibilidade e inclusão.

Isso porque, todas as adaptações devem ser realizadas mantendo intacta a segurança da estrutura do prédio.

 

Além de facilitar ao máximo o acesso, por exemplo, de idosos, cadeirantes, aqueles que utilizam andadores/bengalas, crianças no colo/carrinhos, deficientes visuais e todos aqueles que dependem de acessibilidade especial.

 

O Estatuto da Pessoa com Deficiência traz, dentre outros, que:

 

“(...)A construção, a reforma, a ampliação ou a mudança de uso de edificações abertas ao público, de uso público ou privadas de uso coletivo deverão ser executadas de modo a serem acessíveis (...)”.

 

“As edificações públicas e privadas de uso coletivo já existentes devem garantir acessibilidade à pessoa com deficiência em todas as suas dependências e serviços, tendo como referência as normas de acessibilidade vigentes (...)”.

 

“(...) O projeto e a construção de edificação de uso privado multifamiliar devem atender aos preceitos de acessibilidade, na forma regulamentar (...). 

 

Como se vê, as regras sobre acessibilidade são aplicadas tanto para construções novas quanto antigas, incluindo todos os serviços e espaços.

 

Desse modo, é dever do Síndico adequar o condomínio conforme regras de acessibilidade e para isso, é necessária a realização de “obras”.

 

Em tese, obras que visam ajustar o prédio aos dispositivos legais não necessitam de aprovação em assembleia para sua realização, vejamos o que traz o CCB:

 

"(...) As obras ou reparações necessárias podem ser realizadas, independentemente de autorização, pelo síndico, ou, em caso de omissão ou impedimento deste, por qualquer condômino.(...)”.

 

No entanto, sugere-se que seja realizada assembleia a fim de esclarecer aos condôminos que se trata de uma questão legal, além de social e, também, apresentar os orçamentos, tal atitude demonstra transparência na Gestão.

 

Síndicos devem ficar atentos para legislações municipais e estaduais que também trazem orientações sobre acessibilidade, além da NBR 9050/2015!

 

Aqui em Porto Alegre, sede do nosso escritório, a Lei Complementar nº 678/11 instituiu o Plano Diretor de Acessibilidade de Porto Alegre, complementando a legislação federal.

 

Já há diversos julgados que determinaram modificações em partes dos condomínios, face a legislação que visa facilitar a vida de pessoas com condições especiais em condôminos.

 

É dever do Síndico cumprir a legislação, sendo que o condomínio poderá ter que arcar com multas em caso de descumprimento.

 

Hoje em dia, acessibilidade é essencial nos condomínios, pois todos têm direito de usufruir do prédio/empreendimento como um todo.

 

É importante que Síndicos e condôminos tenham consciência que a acessibilidade a todos os espaços é democrática, além de honrar a dignidade da pessoa.

 

Acessibilidade é uma questão abrangente, uma vez que sabemos ser o grupo de pessoas com mobilidade reduzida bem numeroso. 

 

Siga nosso Instagram @simonegoncalves.com.br

Visite também nosso site: wwww.simonegoncalves.com.br

Seguir este artigo

Sobre o autor

Simone Gonçalves

Advogada atuante na cidade de Porto Alegre/RS e região metropolitana. É formada pela Universidade da Região da Campanha – URCAMP, tendo cursado pós-graduação junto ao Instituto de Desenvolvimento Cultural – IDC e, também na Universidade Estácio de Sá. Tem formação em Gestão na Advocacia, pelo Instituto de Aperfeiçoamento em Gestão Legal – IAGL e Administração de Condomínios e Síndico Profissional pela Faculdade Legale. Atualmente, presta serviços de Assessoria e Consultoria na área imobiliária e condominial, de forma a auxiliar Imobiliárias, Corretores de Imóveis, Síndicos, Condôminos, Moradores e Prestadores de Serviços. É colunista fixa do Jornal do Síndico (www.jornaldosindico.com.br), Viva o Condomínio (www.vivaocondominio.com.br) e Folha do Condomínio Online (www.folhadocondomino.com.br/). Instagram: @simonegoncalves.com.br


Cursos relacionados

Gestão jurídica proativa e em parceria com empreendedores de startups.

Entenda como se tornar um consultor jurídico essencial para startups

Inscrições gratuitas

Ao vivo: 09/10/2019 10:00

Turma: Gestão jurídica proativa e em parceria com empreendedores de startups.

Código: 482

Mais detalhes

Responsabilidade tripla por danos ao meio ambiente

Como atuar juridicamente com a tese da responsabilidade ambiental tripla

Inscrições gratuitas

Turma: Responsabilidade tripla por danos ao meio ambiente

Código: 483

Mais detalhes

Workshop: advocacia em dívidas bancárias

Palestras gratuitas descrevendo as boas práticas que os advogados precisam adotar para advogar em dívidas bancárias produzindo o resultado que almejam

Inscrições gratuitas

Ao vivo: 24/09/2019 10:00

Turma: Setembro/2019

Código: 484

Mais detalhes

Mais artigos de Simone Gonçalves

Comentários 0

Você precisa estar logado para comentar neste artigo.

Fazer login ou Cadastre-se