A famigerada taxa de incêndio


Por Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas em 07/11/2019 | Comentários: 0

A Taxa de Incêndio, em nosso Estado de Minas Gerais, foi instituída pela Lei Estadual nº 14.938/2003.

De lá para cá houve inúmeros julgados do TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS – TJMG que concluíram, com votos vencidos, pela constitucionalidade da referida taxa, contrariando a doutrina que sempre se posicionou no sentido de que nem todo serviço público enseja a cobrança de taxa, notadamente essa pseudo “taxa de incêndio” que incide sobre um serviço de interesse geral, indivisível.

Nesse sentido, publiquei, em certa feita, que: o serviço de prevenção e extinção de incêndios, resgate e salvamento, é inespecífico, pois favorece não apenas os proprietários ou possuidores de bens imóveis, mas a coletividade em geral, mesmo porque o sinistro pode atingir também os bens móveis e ameaçar vidas humanas e de semoventes. E o resgate e salvamento favorecem todos aqueles que eventualmente se encontrem em situação de risco no município, mesmo que não sejam proprietários ou possuidores de imóveis e sequer morem na cidade. E, ademais, essas atividades são indivisíveis pois não se pode medir o quanto cada munícipe, proprietário ou não, é beneficiado com sua existência¨ (CHAGAS, Marco Aurélio Bicalho de Abreu. Por que não pagar a 'taxa' de incêndio? Tributário. NET, São Paulo, inserido em: 20/04/2001).

Agora, recentemente, em Decisão publicada, no DJE nº 241, de 05 de novembro de 2019, o Min. LUIZ FUX, ao julgar o RE 1240111/MG, negou provimento ao recurso interposto pelo ESTADO DE MINAS GERAIS, sustentando que esse serviço de segurança contra incêndio, por ser essencial e indivisível, não pode ser custeado por taxa

Eis a EMENTA desse julgado:

RECURSO EXTRAORDINÁRIO 1.240.111 MINAS GERAIS RELATOR : MIN. LUIZ FUX RECTE.(S) :ESTADO DE MINAS GERAIS PROC.(A/S)(ES) :ADVOGADO-GERAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS.

RECURSO EXTRAORDINÁRIO. TRIBUTÁRIO. MANDADO DE SEGURANÇA. TAXA DE UTILIZAÇÃO POTENCIAL DO SERVIÇO DE EXTINÇÃO DE INCÊNDIO - TAXA DE INCÊNDIO. IMPOSSIBILIDADE. SERVIÇO ESSENCIAL E INDIVISÍVEL NÃO PODE SER CUSTEADO POR TAXA. RECURSO INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. MANDADO DE SEGURANÇA. INAPLICABILIDADE DO ARTIGO 85, § 11, DO CPC/2015. RECURSO DESPROVIDO.

DECISÃO: Trata-se de recurso extraordinário, manejado com arrimo na alínea a do permissivo constitucional, contra acórdão que, em sede de juízo de retratação, assentou: “REMESSA NECESSÁRIA / APELAÇÃO CÍVEL - MANDADO DE SEGURANÇA - JUÍZO DE RETRATAÇÃO - ART. 1.030, II, DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - JULGAMENTO DO RECURSO REPRESENTATIVO DA CONTROVÉRSIA - ACÓRDÃO PARADIGMA - RE Nº 643.247/SP - REPERCUSSÃO GERAL - ‘TAXA DE INCÊNDIO’ - ILEGALIDADE DECLARADA - SEGURANÇA CONCEDIDA - SENTENÇA CONFIRMADA.” (Doc. 31, p. 1) Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001. O documento pode ser acessado pelo endereço http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/autenticarDocumento.asp sob o código 3987-6E6C-E7A4-2111 e senha A18D-ED80-8344-1E3A RE 1240111 / MG

Nas razões do apelo extremo, o Estado de Minas Gerais sustenta preliminar de repercussão geral e, no mérito, aponta violação ao artigo 145, II, da Constituição Federal. Alega, em síntese, que o entendimento alcançado pelo STF, ao jugar o RE 643.247 (Tema 16), não tem alcance para invalidar a taxa de incêndio criada pelo Estado. É o Relatório.

DECIDO. O recurso não merece provimento. O Plenário Virtual desta Corte, no julgamento da ADI 2.908, Rel. Min. Cármen Lúcia, DJe de 21/10/2019, firmou entendimento no sentido de que o serviço de segurança contra incêndio não pode ser custeado por taxa, por ser atividade essencial geral e indivisível, de utilidade genérica, devendo ser custeada por imposto. Dessa orientação não divergiu o acórdão recorrido. Por fim, observo que o presente recurso foi interposto sob a égide da nova lei processual. Nada obstante, por se tratar de mandado de segurança, não há falar em majoração de honorários advocatícios (Súmula 512 do STF). Ex positis, DESPROVEJO o recurso extraordinário, com fundamento no artigo 932, VIII, do CPC/2015 c/c o artigo 21, § 1º, do Regimento Interno do STF. Publique-se. Brasília, 30 de outubro de 2019. Ministro LUIZ FUX Relator Documento assinado digitalmente 2

Essa Decisão foi publicada no DJE do dia 05 de novembro de 2019

https://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=5793240

 

Seguir este artigo

Sobre o autor

Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas

Advogado militante no Foro em Geral e nos Tribunais Superiores com mais de 40 anos de experiência. Assessor Jurídico na Associação Comercial e Empresarial de Minas - ACMinas desde 1980. Sócio Fundador do CUNHA PEREIRA & ABREU CHAGAS - Advogados Associados desde 1976. Consultor Home Office. Tributarista. Autor de vários livros na área. tributária. Conferencista. Professor.


Cursos relacionados

GTT PRO

Método prático para construção de carteira de ações tributárias

Marcos Relvas - Mestre em Direito do Estado no Estado Democrático de Direito

Investimento:

R$ 2.490,00

Turma: Novembro/2019

Código: 496

Mais detalhes

Falar em púbico com firmeza e segurança

Entenda que falar em público não é um dom e que qualquer um pode falar em público com facilidade...

Inscrições gratuitas

Turma: Novembro/2019

Código: 502

Mais detalhes

Recupere ICMS sobre TUST/TUSD em 5 etapas práticas

Entenda a fundamentação das parcelas improcedentes do ICMS sobre a conta de energia elétrica

Marcos Relvas - Mestre em Direito do Estado no Estado Democrático de Direito

Inscrições gratuitas

Turma: Novembro/2019

Código: 503

Mais detalhes

Mais artigos de Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas

Comentários 0

Você precisa estar logado para comentar neste artigo.

Fazer login ou Cadastre-se