A LGPD e o vazamento de dados dos clientes da Vivo

"Vivo admite brecha de segurança; milhões de clientes estariam expostos"


Por Mario Thiago Gomes de Sá Padilha em 06/11/2019 | Comentários: 0

A Lei Geral de Proteção de Dados - LGPD ainda não está em vigor, mas os problemas que ela visa minorar estão a pleno vapor aqui no Brasil.

Deixo claro que o comentário aqui não visa expor a empresa, tampouco esgotar o tema sobre a LGPD, apenas expor uma problemática que provavelmente terá sua solução postergada.

Acredito que a empresa envolvida tenha medidas protetivas de alto padrão, mas se a LGPD já estivesse vigorando, o resultado poderia ser uma grande multa aplicada.

Vamos aos fatos: Ontem foi noticiado na imprensa (link ao final do texto), que  a operadora Vivo teria tido uma falha de segurança em sua plataforma "Meu Vivo", o que expos os dados (nome, RG, CPF, data de nascimento, etc) de aproximadamente 24 milhões de usuários.

A empresa emitiu nota, reconhecendo a falha, mas argumentando que o "o número de clientes possivelmente impactados por esta ação ilícita é consideravelmente menor do que o divulgado por alguns órgãos da impresnsa especializada".

O que temos até o momento, uma Lei (13.709/2018 com a redação dada pela 13.853/2019) que visa proteger os os dados pessoais de consumidores e usuários de serviços,  uma "vacatio legis" (período em que uma lei é publicada até ela realmente entrar em vigor) até agosto de 2020, empresas expostas a riscos, e um novo ingrediente, o PL 5762/2019, de autoria do Deputado Carlos Bezerra (MDB/MT), cuja ementa é a seguinte:

"Ementa: Altera a Lei nº 13.709, de 2018, prorrogando a data da entrada em vigor de dispositivos da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais - LGPD - para 15 de agosto de 2022."

Como parte da justificativa para prorrogar a Vacatio, temos que:

"Embora os benefícios advindos da LGPD sejam inquestionáveis, é necessário tecer algumas considerações sobre a sua implementação prática. Isso porque a nova lei estabeleceu, como marco inicial de vigência dos seus dispositivos mais relevantes, o mês de agosto de 2020. Ocorre que, hoje, a pouco mais de dez meses da entrada em vigor da LGPD, apenas uma pequena parcela das empresas brasileiras iniciou o processo de adaptação ao novo cenário jurídico."

Ora, temos finalmente algo bom para proteger nossos dados nessa era digital que vivemos (deixando claro que a Lei não dispõe somente de dados em arquivos digitais "Art. 1º Esta Lei dispõe sobre o tratamento de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, por pessoa natural ou por pessoa jurídica de direito público ou privado, com o objetivo de proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e o livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural.", e ainda há quem queira postegar mais o início de sua vigência.

A Lei ainda traz claramente o que pretende proteger:

Art. 2º A disciplina da proteção de dados pessoais tem como fundamentos:

I - o respeito à privacidade;

II - a autodeterminação informativa;

III - a liberdade de expressão, de informação, de comunicação e de opinião;

IV - a inviolabilidade da intimidade, da honra e da imagem;

V - o desenvolvimento econômico e tecnológico e a inovação;

VI - a livre iniciativa, a livre concorrência e a defesa do consumidor; e

VII - os direitos humanos, o livre desenvolvimento da personalidade, a dignidade e o exercício da cidadania pelas pessoas naturais.

Fica claro que a privacidade é o primeiro dos fundamentos ao qual a LGPD quer dar proteção. Mas episódios como o ocorrido revelam que as empresas deve cada vez mais adotarem medidas para proteger os dados de seus clientes.

Esse não é o primeiro caso de vazamento de dados que tivemos recentemente. Mas é um que ocorre logo após a intenção legislativa de prorrogar o início da vigência da Lei.

As empresas e os empresários brasileiros, que tanto clamam por um cenário mais competitivo e adequado, não podem deixar de lado a chamada "segurança jurídica", que leis como a LGPD nos trazem.

É  preciso que fiquemos atentos e procuremos adequar nossas empresas às inovações legislativas o quanto antes, sob pena de sempre vermos o legislador postegar medidas, que são de extrema importância, para que o Brasil entre finalmente no seleto grupo de países com condições de competitividade e com cenário favorável ao investidor/empreendedor.

_______________________________

Link para matéria:
https://www.techtudo.com.br/noticias/2019/11/vivo-admite-vazamento-de-dados-de-clientes.ghtml

Link para o Projeto de Lei nº 5762/2019.:
https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2227704

 

Seguir este artigo

Sobre o autor

Mario Thiago Gomes de Sá Padilha

Advogado com vasta experiência em Direito do Trabalho, formado com especialização em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho no Centro Universitário de Brasília - UNICEUB no 2º Semestre de 2004. Atuei como advogado da TCB - Transportes coletivos de Brasilia de 2005 até 2007. Fui Assessor Jurídico-Legislativo da Secretária de Fazenda do DF de 2007 a 2008. Subsecretário Chefe da Unidade de Administração Geral da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo do DF de 2008 a 2009. Conselheiro Fiscal do BRB-Banco de Brasília de 2010 a 2011. Conselheiro da 3ª Câmara do Conselho de Recursos da Seguridade Social de 2015 a 2017. Presidente do Conselho Fiscal da BSB Ativos - Coligada do BRB de 2015 a 2016. Sócio fundador da Gomes de Sá, Roriz & Vendramine Advogados. Diretor Jurídico do Sindicato das Empresas de Contabilidade do DF. Comendador do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região.


Cursos relacionados

ADB PRO 2.0

Método prático para alcançar honorários extraordinários e estabilidade financeira na advocacia

Márcio Vieira - Advogado, professor, mestre em direito. Mais de 20 anos de experiência com direito bancário.

Rafael Corte Mello - Advogado, professor, mestre em direito. Mais de 20 de experiência na advocacia de litígio.

Investimento:

R$ 1.997,00

Turma: ADBPRO - ABRIL/2020

Código: 530

Mais detalhes

LGPD do Zero: Aprenda como conquistar seus primeiros clientes

Método prático para conquistar seus primeiros clientes em proteção de dados pessoais.

Investimento:

R$ 1.297,00

Turma: Abril/2020

Código: 542

Mais detalhes

COVID-19 e contratos de trabalho: análise das medidas adotadas pelo Governo

A análise jurídica das medidas que afetarão os contratos trabalhistas em meio à crise

Inscrições gratuitas

Ao vivo: 06/04/2020 10:00

Turma: Abril/2020

Código: 545

Mais detalhes

Mais artigos de Mario Thiago Gomes de Sá Padilha

Comentários 0

Você precisa estar logado para comentar neste artigo.

Fazer login ou Cadastre-se